You are currently viewing Google Ads – 5 dicas para campanhas de inbound marketing

Google Ads – 5 dicas para campanhas de inbound marketing

Uma das maneiras mais rápidas de se acelerar resultados em inbound marketing é por meio de investimentos nas campanhas do Google Ads.

Uma das maneiras mais rápidas de se acelerar resultados em inbound marketing é por meio de investimentos em campanhas de links patrocinados.

Acima de tudo podemos destacar que o Google Ads tem sua posição de de mérito devido a sua versatilidade e sobretudo influência sobre o meio digital.

Afinal, o Google é o motor de buscas mais acessado do mundo, tendo as campanhas de pesquisas como a principal ferramenta da sua plataforma de anúncios.

Facilitando mais ainda esse trabalho, a pesquisa é baseada em palavras-chave. Ou seja, um casamento perfeito para campanhas de inbound marketing e conteúdo.

Do mesmo modo a plataforma ainda conta com as campanhas para a rede de display do Google.

Em síntese, sites parceiros, remunerados por ceder seu espaço a publicidade do gigante da internet.

Já que entre suas configurações existem ótimas opções de campanha para quem deseja ofertar conteúdo.

O inbound marketing é uma abordagem estratégica para a criação de conteúdo valioso que se alinha às necessidades de seu público-alvo e inspira relacionamentos de longo prazo com os clientes.

Seus clientes são seus clientes porque você fornece soluções para os problemas deles. É disso que se trata o inbound marketing – fornecer as soluções que seu público-alvo está procurando.

Essas soluções podem vir na forma de muitos tipos diferentes de conteúdo em todas as suas diferentes plataformas, projetadas para se conectar com potenciais compradores em diferentes estágios do ciclo de compra.

O que o Google Ads vende é alcance para esse público segmentado.

No entanto, administrar o Google Ads exige um tanto de conhecimento técnico.

Além de que a concorrência existente hoje por posicionamento nos resultados de busca paga chegou a um ponto em que não existe muito espaço para amadores sobreviverem.

Exigindo planejamento, disciplina e perspicácia de quem vai administrar a campanhano Google Ads.

As dicas abaixo foram elaboradas para quem deseja promover campanhas de conteúdo rico por meio da plataforma de anúncios.

Não são uma regra, mas uma orientação básica de como trabalhar pesquisa paga com inbound marketing e conteúdo.

1 – Antes de tudo, esconda o seu melhor conteúdo atrás de um formulário

As ideias que estamos passando aqui não envolvem ofertar simples blogposts em meio a pesquisa e rede de display, mas materiais ricos como ebooks, infográficos, planilhas estruturadas e webinars.

Esses formatos recebem uma percepção de valor maior. O que aumenta a chance de alguém se dar ao trabalho de preencher um formulários de coletas de dados.

Este de preferência deve coletar nome, email, telefone e duas perguntas de qualificação.

É um formato ideal para compensar o custo envolvido. Pois, enviar tráfego pago para uma página simples, mesmo que com um pop-up ou mecanismo semelhante para conversão raramente dará resultados.

Obrigue o seu visitante a preencher o formulário para ter acesso ao seu conteúdo rico, afinal o Google Ads não é de graça.

Uma maneira simples de implementar isso é com o uso da ferramenta RD Station que permite a criação simples e rápida de landing pages e formulários.

2 – Tenha tags de rastreamento do Google Ads instaladas

Não adianta enviar visitantes para suas landing pages e ficar sem saber se eles converteram ou não. Você precisa saber o custo por lead de cada campanha, grupo de anúncios, público, anúncio ou palavra-chave no Google Ads.

O Google Ads conta com sua tag de rastreamento de conversões. Bem simples e fácil de instalar para quem tem algum conhecimento básico de programação para web.

Para quem já tem um conhecimento um pouco mais avançado, também pode importar as informações de conversão do Google Analytics.

Este último possui ferramentas mais avançadas de rastreamento de conversão e mais flexíveis e integráveis com o Google Ads para diferentes situações que cada site pode levar a desafiar.

Por fim, uma ferramenta também gratuita oferecida pelo gigante da web é o Google Tag Manager.

Se você não está familiarizado com o Google Tag Manager (GTM), provavelmente está se perguntando o que é e por que deve usá-lo. 

Um exemplo muito simples de como o GTM funciona. As informações de uma fonte de dados (seu site) podem ser compartilhadas com outra fonte de dados (Analytics) por meio do Gerenciador de tags do Google. 

O GTM é uma ferramenta muito útil quando você tem muitas tags para gerenciar porque todo o código é armazenado em um só lugar.

A grande vantagem do Gerenciador de tags é que você, o profissional de marketing, pode gerenciar o código por conta própria, sem a necessidade de desenvolvedores.

Ele é excelente para adicionar e remover tags de qualquer site em minutos, sem a interassão com o código fonte. Porém, recomendado apenas para usuários avançados.

3 – Separe palavras-chave e grupos de anúncios por nível de funil

Antes de ir para a etapa de pagar para obter tráfego, planeje bem o seu conteúdo ofertado na rede de pesquisa e display.

Caindo como uma luva, o Google Ads conta com o planejador de palavras-chave.

Uma ótima ferramenta para você adicionar ou receber sugestões de palavras-chave, além de analisar tendências de volume de pesquisa, concorrência e comparar com o seu posicionamento orgânico.

O melhor de tudo é que depois que você preparou o seu planejamento, é possível monta-lo em campanhas e grupos de anúncios para salvar na conta.

Existem conteúdos de topo, meio e fundo de funil e suas palavras-chaves devem considerar essa variação.

Uma vez montado o esqueleto da campanha seguindo os três níveis do funil, a tendência é que os custos de conversão tendem a ser crescentes do topo para o fundo.

Como mencionado no nosso artigo sobre funil de vendas, o que se espera é que os leads atraídos pelo conteúdo mais próximo ao fundo também tenham uma chance de qualificação maior.

No processo de venda inbound, o vendedor vai encontrar seu público-alvo em etapas distintas do momento da compra que chamamos de funil de vendas. 

Este nada mais é do que um modelo teórico para entender qual momento do lead (qualquer um que deixou um contato no seu site, como email ou telefone) está durante a jornada de compras.

O funil de vendas é usado em paralelo com outro modelo teórico de análise e qualificação de prospectos, a jornada de compras do cliente.

A jornada de compras representa as etapas pela qual um potencial cliente passa desde o primeiro contato até, de fato, fechar negócio com a empresa. Já o funil de vendas é uma estratégia baseada na jornada de compras

Porém, é importante não confundir um ou outro.

O segredo está em mediar o investimento entre esses três níveis e avaliar o que compensa mais.

4 – Não esqueça de fazer uma reserva para campanhas diretas

Campanhas diretas são aquelas feitas para pedidos à equipe de vendas ou comprar online, não envolvendo conteúdo e geralmente destinadas à página de produto ou serviço.

Além da página estruturada para receber esse visitante com as informações que ele precisa pela decisão da compra, deve existir o mecanismo de conversão para tal, como um formulários de campo aberto, onde o lead pode fazer seus primeiros questionamentos ou no caso de uma compra online, um sistema de carrinho com um motor de pagamentos.

Em muitos casos o custo por aquisição de cliente em campanhas diretas no Google Ads. pode compensar mais do que investir em marketing de conteúdo.

Portanto, uma reserva de orçamento para avaliação deve sempre ser feita para saber se não é mais fácil investir em campanhas diretas.

Uma maneira de prever isso é simples, quanto mais você precisa evangelizar o seu público, mas você vai precisar das campanhas de funil. Se o seu público já sabe bem o que quer e você tem o que precisa, o mais indicado é investir em campanhas diretas.

5 – Integre o Google Ads ao Search Console

Já que estamos falando de conteúdo, nada melhor do que ficar por dentro de como o Google enxerga o seu site e classifica o seu conteúdo.

Isso pode ser feito por meio de uma ferramenta gratuita fornecida pelo próprio, o Google Search Console.

O Google Search Console é um serviço gratuito oferecido pelo Google que ajuda você a monitorar, manter e solucionar problemas de presença do seu site nos resultados da Pesquisa Google.

Você não precisa se inscrever no Search Console para ser incluído nos resultados da Pesquisa do Google, mas o Search Console ajuda você a entender e melhorar como o Google vê seu site.

Além de trazer informações como diagnóstico do site, principais páginas rankeadas, problemas de rastreabilidade e uma visão parcial das principais buscas e posicionamento das palavras-chave, ele também pode ser integrado ao Google Ads.

Isso permite visualizar dados orgânicos no planejador de palavras-chave e ajudar na tomada estratégica de decisões ao preparar a sua campanha.

Enfim, uma visão 360° do conteúdo que você deseja promover no buscador.

Essas 5 dicas dão algumas sacadas para ajudar a alavancar melhor suas campanhas de inbound Marketing com o Google Ads.

No entanto, existem muitos outros macetes para melhorar ainda mais os seus resultados.

Afinal, o Google Ads é uma ferramenta ampla, não contando apenas com campanhas de pesquisa por palavras-chave, mas também com campanhas na rede de Display, Youtube, Gmail e Google Shopping.

Logo, há um universo de possibilidade que anunciantes criativos podem explorar com as ferramentas e campanhas do Google Ads.

Deixe um comentário